Busca

Notícias

conteúdo principal

Moradores do Icuí-Guajará recebem certificados dos cursos realizados na Usipaz do bairro

10/01/2022

Em cerimônia realizada na manhã desta sexta-feira (7), foi feita a entrega de certificados dos cursos dos projetos de Gastronomia e Amazon Maker, desenvolvidos pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) na Usina da Paz do Icuí-Guajará, em Ananindeua, onde são realizadas ações do Territórios Pela Paz (TerPaz), programa do governo do estado coordenado pela Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac). No total, os dois projetos da Sectet certificaram 274 pessoas que fizeram cursos de outubro a dezembro de 2021.

O titular da Sectet, Carlos Maneschy, ressaltou que por meio do TerPaz o governo do estado leva oportunidades aos moradores dos territórios onde as ações são desenvolvidas. “O que nós estamos fazendo com esse programa é garantir oportunidades para pessoas. São oportunidades para superar dificuldades e encontrar um caminho para sobrevivência e para objetivos muito maiores no futuro. A partir dessa experiência, creio que mudará o patamar de vida de muita gente”, destacou o secretário.

Maneschy lembrou que o programa foi idealizado pelo titular da Seac, Ricardo Balestreri e pelo diretor das Câmaras Técnicas do TerPaz, Alejandro Jélvez. “A decisão de colocar em prática foi do governador Helder Barbalho, que deu todo o suporte e incorporou a ideia como um projeto do seu governo”, disse o titular da Sectet.

O secretário adjunto da Seac, Raimundo Santos Júnior, enfatizou que o Terpaz é uma política que busca promover a segurança pública por meio da inclusão social, além da realização do policiamento ostensivo e demais ações de repressão feita pelo estado. Para fazer essa inclusão, frisou o secretário, o TerPaz criou grupos focais nos bairros atendidos para saber quais eram as demandas das comunidades, adequando as políticas às necessidades da população.

“O nosso objetivo é dar oportunidade para as pessoas. Essa formação é um ponto de mudança positiva na vida de cada um de vocês. É uma oportunidade de melhorar, de aprender, de desenvolver, enfim, de transformar positivamente as suas vidas”, frisou.

Gastronomia
O coordenador do projeto de Gastronomia, Bruno Morais, destacou que foram realizados na Usipaz Icuí-Guajará 17 cursos, sendo certificadas 162 pessoas. “Temos diversos tipos de cursos, desde higiene e legislação até confeitaria. Os alunos também têm uma parte teórica, onde entendem de ciência como um todo, pois todos os nossos professores têm formação acadêmica e estão preparados para repassar esse conhecimento”, enfatizou o coordenador.

Yrlane Beckman, 43 anos, foi aluna da primeira turma de panificação do projeto e já está no terceiro curso. “Eu sou muito agradecida pela oportunidade. Com os cursos tive possibilidade de garantir uma renda extra com a produção de panetones e roscas neste final de ano. Espero que essa possibilidade se estenda a mais pessoas e chegue à comunidade como um todo”, disse Yrlane.

Amazon Maker
O projeto Amazon Maker oferta cursos na área da tecnologia, trabalhando com a ideia de que as pessoas aprendem fazendo, desenvolvendo a capacidade de construir, reparar e alterar objetos dos mais variados tipos e funções com as próprias mãos.

Foram entregues certificados a 112 pessoas que participaram das turmas dos cursos “Programação e Robótica” e “Modelagem e Impressão em 3D”.  O coordenador pedagógico do projeto, Oziel Luz, falou sobre a experiência de ver o crescimento das pessoas que ainda não tinham contato com o mundo da tecnologia. “Nós tivemos alunos que nunca tinham tido a oportunidade de pegar num computador e se sentiam meio perdidos. Quando chega na quarta ou quinta aula, vemos que não estão mais perdidos, já se encontraram nesse universo da tecnologia. Isso é maravilhoso. Estamos transformando essas pessoas em cidadãos e cidadãs”, contou.

Marjore Lima, 14 anos, que fez o curso de Programação e Robótica, é o exemplo da situação contada pelo coordenador do Amazon Maker. “Quando eu entrei na sala e vi as peças não conseguia entender o que estava acontecendo ali. Mas da feita que se entra nesse universo não se consegue mais parar. E temos essa oportunidade de forma gratuita, perto de casa. É só querer aprender. Obrigada por vocês nos proporcionarem tudo isso”, disse a adolescente.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)
Fotos: Priscila Castro (Ascom/Sectet)