Busca

Notícias

Início » Notícias » Sectet discute qualificação e inovação para a cadeia produtiva do cacau
conteúdo principal

Sectet discute qualificação e inovação para a cadeia produtiva do cacau

28/03/2017

Qualificação e inovação tecnológica no intuito de fortalecer a cadeia produtiva do cacau no Pará foram os fatores que reuniram diversos órgãos estaduais, federais, produtores e chocolatiers, nesta terça-feira (28), no auditório do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT- Guamá). A reunião, convocada pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), é a continuidade do trabalho que pretende integrar as ações voltadas a cadeia, identificada como uma das prioritárias para o estado dentro do Plano de Governo denominado Pará 2030.

Na oportunidade, o atual superintendente da Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira (Ceplac) no Estado, Fernando Mendes, destacou a alta taxa de crescimento anual da produção de cacau no Pará que é de 7%. Em 2016, por exemplo, foram produzidas aproximadamente 118 mil toneladas do fruto. A cadeia cacaueira gera 265 mil empregos, sendo 53 mil diretos e 212 mil indiretos.

Para o engenheiro químico Cesar de Mendes, diretor da empresa Chocolate De Mendes, “a cadeia produtiva do cacau está muito bem organizada, porém o que se precisa é comunicação entre os atores já que, às vezes, um está atrás de uma tecnologia que o outro já possui, mas um ponto a ser observado também seria o final da cadeia, precisa-se de um estímulo na área de comercialização”, enfatizou.

Dessa forma, a secretária adjunta da Sectet, Maria Amélia Enríquez, destacou que “existem muitos componentes no aspecto da produção da cadeia, mas ainda há gargalos na industrialização e na comercialização, por isso a ideia da Secretaria é aprofundar o diálogo no sentindo de um trabalho conjunto.” Para tanto, Enríquez destacou os programas Inova Pará e Pará Profissional, pelos quais a Sectet pode atuar. O primeiro possibilita a criação e fortalecimento de ambientes de inovação para dar suporte à cadeia produtiva do cacau e o outro atuaria especificamente na qualificação da mão de obra.

A partir daí, os presentes se comprometeram em intensificar a discussão e integrar as ações no sentido de cada vez mais aproximar os principais atores da cadeia a fim de garantir resultados concretos para o Estado. Por fim, o professor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Jesus Souza, apresentou a todos o Centro de Valorização Agroalimentar de Compostos Bioativos da Amazônia (CVACBA), localizado no PCT-Guamá, onde se realizam pesquisas em torno do cacau.

Além dos representantes da Sectet, Ceplac, De Mendes e UFPA, também compareceram à reunião representantes da Casa Civil, das Secretarias de  Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia. (Sedeme), de Desenvolvimento Agropecuário e de Pesca (Sedap), Companhia de Desenvolvimento Econômico (Codec), Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Sitema OCB/Pará, Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e Gaudens Chocolates.

Texto: Fernanda Graim – Ascom/Sectet