Busca

Notícias

conteúdo principal

Governo coopera com municípios para fortalecer a rede de ensino tecnológico e profissionalizante

15/07/2021

Promover um ambiente de cooperação entre o estado e os municípios para fortalecer a rede de ensino profissionalizante no Pará foi o objetivo principal da reunião realizada na tarde desta quarta-feira (14) entre a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) e representantes de prefeituras de municípios que sediam Escolas de Ensino Técnico do Estado do Pará (Eetepa’s) e Educação Profissional Tecnológica (EPT).

“Essa reunião é importante para estreitar a relação com os municípios e fazer com que a educação profissional ganhe o destaque e o protagonismo que deve ter na promoção do desenvolvimento do estado e não há como promover esse desenvolvimento sem investir na formação das pessoas”, destacou o titular da Sectet, Carlos Maneschy.

Presentes no auditório do Conselho Estadual de Educação, prefeitos e secretários de educação de dez municípios paraenses, professores e diretores de escolas técnicas, além da equipe da Sectet responsável pela gestão do ensino técnico na rede estadual. 

“Esse momento é muito importante, pois os municípios não têm condições de sozinhos custearem a formação profissional da população e o estado está nos dando a oportunidade de juntos definirmos a oferta de cursos de acordo com as necessidades imediatas de cada um”, disse a prefeita de Benevides, Luziane Solon.

Parceria – O secretário Carlos Maneschy ressaltou que a decisão do governador Helder Barbalho em transferir a gestão das Eetepa’s da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para a Sectet (o que ocorreu há um ano) teve o propósito de estabelecer um novo marco na educação profissional no estado. “Temos a convicção de que é possível criar um ambiente de cooperação para fazermos mais e melhor. Para tanto, a parceria com os municípios é fundamental”, declarou.

A secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes, enfatizou que os municípios precisam planejar o ensino profissionalizante. “Nesse planejamento é importante ouvir os estudantes, os comerciantes, empresários, enfim, dialogar com todos os setores locais para saber quais profissionais são necessários para o desenvolvimento local”, frisou Edilza Fontes.

O diretor de ensino técnico e tecnológico da Sectet, Leôncio Siqueira, chamou atenção para a adequação da oferta dos cursos à vocação econômica de cada município, trabalhando a conscientização dos estudantes desde o ensino fundamental. “É preciso mostrar aos estudantes que tipo de formação profissional vai promover o desenvolvimento futuro do município”, orientou Leôncio.

Rede – O coordenador de ensino técnico e tecnológico da Sectet, José Pereira Neto, apresentou a rede de escolas sob a responsabilidade da secretaria, mostrando o acréscimo de 15% na oferta de vagas em cursos técnicos este ano nas modalidades subsequente, integrado, proeja e concomitante. 

O coordenador destacou ainda a possibilidade de realização de cursos de Formação Inicial Continuada (FIC), que têm curta duração e promovem a profissionalização para imediata colocação no mercado de trabalho. “Estamos à disposição dos municípios para definirmos juntos a oferta de cursos que possam dar oportunidade aos jovens de ingressarem no mercado de trabalho e mudarem suas vidas e de duas famílias”, declarou José Neto.

Retorno – Outro assunto tratado na reunião foi a volta ao ensino presencial a partir de agosto. A representante do Conselho Estadual de Educação, Beatriz Padovani, explicou que o retorno será gradativo, com ensino híbrido em agosto e setembro. No primeiro mês serão 25% dos alunos presencialmente nas salas, em setembro, 50% até que em outubro 100% possam estar em sala de aula.

Para o retorno às aulas presenciais, a Sectet está garantindo às Eetepa’s toda a estrutura necessária para o cumprimento das medidas sanitárias previstas no protocolo de combate à pandemia de Covid-19. “A Sectet vai disponibilizar a cada Eetepa sob a nossa responsabilidade R$ 10 mil de suprimento de fundo para garantir o cumprimento das medidas sanitárias”, informou José Neto.

Respondendo às preocupações de professores e diretores quanto ao retorno do ensino presencial, o secretário Carlos Maneschy frisou que o governo também se preocupa com a saúde e segurança de todos. “A qualquer sinal de risco, poderemos voltar atrás. A decisão agora é promover o retorno ao ensino presencial e vamos cumprir à risca o protocolo, garantindo o necessário para voltar com segurança”, tranquilizou Maneschy.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)
Fotos: Priscila Castro (Ascom/Sectet)