Busca

Notícias

conteúdo principal

Forma Pará seleciona candidatos para preencher mais de 1,8 mil vagas no ensino superior

05/12/2021

Prova envolve estudantes de 36 municípios ou distritos do Estado, com o objetivo de aumentar a oferta de vagas em cursos superiores no estado

Um clima de entusiasmo e expectativas positivas envolveu 36 municípios/distritos do estado neste domingo (5) durante a prova do processo seletivo especial que preencherá as 1.817 vagas ofertadas pela chamada 2021 do Forma Pará. Coordenado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), o programa do governo estadual conta com a parceria das Instituições de Ensino Superior (IES) públicas e das prefeituras municipais, para aumentar a oferta de cursos superiores por todo o estado. Em 2021, o Forma Pará chega a três anos de execução, totalizando  4.000 vagas ofertadas em cursos de graduação em áreas de licenciatura, bacharelado e tecnológico. Já foram alcançados mais de 50 municípios em 11 das 12 regiões de integração do estado.

O titular da Sectet e idealizador do programa, Carlos Maneschy, explica que o Forma Pará busca garantir a experiência na universidade pelo maior número possível de jovens, possibilitando a transformação da vida dessas pessoas, seus familiares e da região em que vivem. “Nós entendemos a dificuldade de muitos estudantes que moram distante e não têm condições de se deslocar para outro município onde haja um polo universitário. Nós levamos as universidades aos municípios para que esses jovens possam definitivamente ser protagonistas dos seus destinos. A educação transforma e o conhecimento faz com que possamos transformar este estado em um ambiente de muitas oportunidades para todos em qualquer lugar que morem”, sintetiza.

A chamada 2021 do programa tem cursos executados por todas as IES públicas presentes no estado: Universidade Federal do Pará (UFPA); Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra); Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa); Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa); Universidade do Estado do Pará (Uepa); e Instituto Federal do Pará (IFPA).

Oportunidade
Liliane Barbosa, dona de casa de19 anos, é moradora do Rio Turuçu, município de Limoeiro do Ajuru, e enfrentou 1 hora e meia de viagem de “rabeta” até o município de Muaná, no Marajó, determinada a aproveitar a oportunidade. "Esta prova do Forma Pará tem uma importância muito grande. Venho de uma família pobre, com pouca escolaridade, quero me formar e ter um ganho melhor para ajudar minha família, ter conhecimento para mim e outras pessoas", relata a candidata, que tem baixa visão e precisou de atendimento especializado. Em Muaná o curso ofertado é licenciatura em Geografia.

Para o candidato José Fernando Batista, estudante de 17 anos e morador de Rio Maria, onde a prova foi para o curso de Engenharia Civil, o Forma Pará resgatou um sonho de infância. "Quando eu era mais novo meu sonho era ser engenheiro, mas o mercado de trabalho me levou para outro lado. Agora estou aproveitando esta oportunidade", revela o jovem, que falou também da dificuldade dos estudantes terem que sair do município para fazer um curso superior.

Em Mosqueiro, onde a oferta é de Gastronomia, a estudante Stephany de Paula Ramos Necy, de 20 anos, viu a chance de ajudar a desenvolver a venda de comidas da família no distrito. "Vou me aprimorar, melhorar a venda da família e ter esta oportunidade no meu lugar, na minha casa é melhor ainda", comemora a candidata, que atualmente estuda e trabalha na capital.

Já em Goianésia a oferta é do curso de Enfermagem e os estudantes tiveram um incentivo a mais. O professor de língua portuguesa e redação de um cursinho pré-vestibular, Jefferson da Silva, esteve em frente ao local de prova para apoiar os alunos. "Este é um dos programas de expansão do ensino superior mais importantes que eu já vi no estado. Tudo que se fizer em prol da educação é vantajoso. É muito importante que os jovens aproveitem para ter uma inserção bem melhor na sociedade", opina o professor.

Lei
No dia 8 de outubro de 2021, o governador Helder Barbalho publicou, no Diário Oficial do Estado (DOE), a Lei no 9.324 que transformou o Forma Pará em Programa de Estado, não mais de Governo. Desta forma se garante a continuidade do programa nas próximas gestões de governo, que terão de manter o investimento na ampliação do número de vagas de ensino superior no estado. A publicação da lei ainda permite que o programa oferte agora cursos em nível de pós-graduação (especialização, mestrado, doutorado e pós-doutorado).

Cursos e municípios
Os cursos ofertados e os municípios atendidos pelo Forma Pará, por meio da UFPA na chamada 2021 são: Licenciatura em Música, 40 vagas, em Ponta de Pedras; Engenharia Civil, em Barcarena e Rondon do Pará (50 vagas cada); Agronomia, 45 vagas, em Novo Repartimento; Enfermagem, 42 vagas, em Cametá; Engenharia Mecânica, 50 vagas, em Nova Ipixuna; e Turismo, 50 vagas, em Salinópolis. O que totaliza 327 vagas.

Por meio da Unifesspa, a oferta é de 500 vagas dos seguintes cursos em 11 municípios: Zootecnia, 40 vagas, em Piçarra; Geologia, 40 vagas, em Ourilândia do Norte; Medicina Veterinária, 40 vagas, em Tucumã; Engenharia Mecânica, 40 vagas, em Tailândia; Matemática, em Cumaru do Norte e Santa Maria das Barreiras (50 vagas em cada); Engenharia Civil, em Rio Maria, Almeirim e Eldorado dos Carajás (50 vagas em cada); Engenharia da Computação, 40 vagas, em Nova Ipixuna; e Direito da Terra, 50 vagas, em Itupiranga.

Mais vagas
Pela Ufra são ofertadas 150 vagas nos cursos: Sistemas de Informação, 50 vagas, em Belém/Icoaraci; Ciências Contábeis, 50 vagas, em Salvaterra; e Licenciatura em Letras – Língua Portuguesa, 50 vagas, em Santa Cruz do Arari. E pela Ufopa, o curso é Gestão Pública  e Desenvolvimento Regional, 40 vagas, em Alenquer.

Por meio da Uepa, o Forma Pará também abriu 500 vagas (50 em cada) em outros dez municípios/distritos: Tecnólogo em  Gastronomia, em Belém/Mosqueiro; Engenharia Civil, em Bragança; Engenharia de Produção, em Acará; Engenharia de Software, em Baião; Bacharelado em Enfermagem, em Goianésia e Mocajuba;  Licenciatura em Educação Física, em Tracuateua; Licenciatura em Ciências Biológicas, em Bagre; Licenciatura em Geografia, em Muaná; e Licenciatura Intercultural Indígena, em Parauapebas (Terra Indígena).

Já pelo IFPA, a oferta é de 300 vagas.  Os cursos e os municípios são: Engenharia de Pesca, em Bonito; Engenharia de Alimentos, em Santa Maria; Tecnologia em Gestão Ambiental, em Belém/Icoaraci; Tecnologia em Agroecologia, em Bom Jesus do Tocantins e em Cachoeira do Arari; e Engenharia Agronômica, em Novo Progresso. São ofertadas 50 vagas em cada um desses municípios.

Cerca de 10 mil candidatos realizaram a prova neste domingo (5). A Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) é a responsável pela seleção da Uepa, Unifesspa, Ufopa, Ufra e IFPA em 29 municípios/distritos. A prova foi composta por cinco questões objetivas de Português, Matemática, História, Geografia, Física, Química e Biologia, num total de 35 questões, e mais uma redação, valendo 10 pontos. Já o Centro de Processos Seletivos (CEPs) da UFPA realizou a prova em sete municípios/distritos. Foram quatro questões objetivas de Português, Matemática, História, Geografia, Física, Química, Biologia e Literatura, num total de 32, e a redação com o valor de 10 pontos.

De acordo com o cronograma de todos os editais, o resultado com o nome dos aprovados sai no dia 5 de janeiro de 2022.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)