Busca

Notícias

conteúdo principal

Famílias cadastradas no ‘Meu Endereço’ começam a receber visitas técnicas

19/01/2020

Waldomira de Souza Fonseca e Maria Lúcia Mendes da Silva, moradoras do bairro da Cabanagem, em Belém, receberam nesta sexta-feira uma visita especial. A equipe do “Meu Endereço – lugar de paz e segurança social”, um dos projetos desenvolvidos pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) dentro do Programa Territórios Pela Paz, iniciou as visitas técnicas aos moradores que estão cadastrados no projeto, realizado em parceria com a Universidade Federal do Pará.

“As visitas são realizadas para levantar as informações gerais sobre o imóvel e a situação das famílias. São necessárias para que possamos avaliar de que forma o projeto poderá contribuir para melhorar as condições de moradia das pessoas”, explica o vice-coordenador do “Meu Endereço”, Renato Neves.

A equipe é formada por um agente de cadastramento, um engenheiro, um assistente social, um bolsista e um supervisor do projeto no bairro. São levantadas as informações sociais da família, feita a medição da casa e do terreno, entre outras. 

“Anotamos tudo que é importante para embasar os laudos técnicos e encaminhamentos que serão feitos para programas e órgãos que poderão contribuir para realizar as melhorias necessárias”, esclarece a supervisora do projeto no bairro da Cabanagem, Maria de Jesus Evangelista.

Confiança – A primeira a receber a visita foi a família de Waldomira Fonseca, uma senhora de 66 anos de idade que apesar das dificuldades da vida não perde o bom humor. Sempre sorrindo e brincando, ela recebeu a equipe e mostrou todos os problemas da sua casa de aproximadamente 15 metros de comprimento e cinco de largura, paredes de madeira, sem divisórias internas, onde mora com duas filhas e dois netos.

A renda da família vem das diárias que ela e uma das filhas fazem em casas de família. Dona Wal não teve oportunidade de estudar e com muito esforço criou os cinco filhos. O marido dela faleceu há cerca de um ano. “Ele não estava trabalhando nos últimos anos. Ficava em casa cuidando das coisas enquanto eu ia trabalhar”, conta. Foi o marido quem fez o piso da casa, que ela procura regularizar por meio do projeto.

A família está cadastrada no programa “Cheque Moradia” há cerca de seis anos, mas ainda não conseguiu recursos para construir a casa de alvenaria. Dona Wal está animada com a chegada das ações do TerPaz no bairro, onde mora há cerca de 40 anos. Generosa, ela diz que torce pelo melhor para todos os moradores. “Espero que possa melhorar cada vez mais o nosso bairro e que tudo que for oferecido seja o melhor para todos, pois todos precisamos”.

Sonho – Para Maria Lúcia da Silva, segunda moradora visitada nesta sexta, o projeto “Meu Endereço” é a possibilidade de realizar o sonho de ter a casa dela reformada. Com a saúde debilitada, Dona Lúcia, de 63 anos, precisa da ajuda da filha para se movimentar pela casa, que está com o piso de madeira cedendo, com tábuas soltas e deterioradas, paredes e telhado em péssimas condições. São dois compartimentos em madeira, uma pequena cozinha e banheiro em alvenaria, construídos com a ajuda dos filhos.

Ela estudou apenas até a segunda séria do ensino fundamental, nunca casou e teve oito filhos.
Moram com a Dona Lúcia dois filhos e uma neta. Todos estão desempregados e a renda familiar se resume à Bolsa Família e à venda de cosméticos feita pela filha. Ela conta que também se cadastrou no “Cheque Moradia” há cinco anos, mas não ainda não foi contemplada.

Quando tomou conhecimento do projeto, Dona Lúcia pediu à filha para ir fazer o cadastro porque está com problemas na visão e já não consegue se locomover sozinha. “É a primeira vez que recebemos a visita do governo para ver a nossa situação. Espero que tudo dê certo e eu consiga realizar esse sonho”, finaliza.

Acompanhamento – O projeto “Meu Endereço” irá visitar na Cabanagem cerca de 100 famílias que fizeram o cadastro no ano passado durante as ações denominadas “Quintas da Cidadania”. Todas terão acompanhamento técnico e tecnológico no processo de regularização fundiária e receberão o kit “Meu Endereço”, composto de todos os documentos necessários para dar entrada na regularização.
“Nós encaminharemos as famílias aos órgãos responsáveis pela regularização e aos programas sociais, como o ‘Cheque Moradia’”, informa Renato. Ele ressalta que a Companhia de Habitação do Pará (Cohab), responsável pelo “Cheque Moradia”, é um dos órgãos parceiros da Sectet no desenvolvimento do “Meu Endereço”.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)
Fotos: Priscila Castro (Ascom Sectet)