Busca

Notícias

conteúdo principal

Evento apresenta veículo aéreo movido a energia solar e debate o uso dessa fonte energética

20/10/2015

Ocorreu, na noite desta segunda-feira (19), a mesa-redonda “Ciência na Amazônia: o projeto Atlantik Solar e os impactos e aplicações da energia solar”, realizada pela instituição governamental suíça “Swissnex Brasil”, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet). O evento contou com a presença de representantes do governo da Suíça, do Pará e de diversos interessados no uso  da energia solar como uma fonte energética viável de ser utilizada em nosso estado.

Na ocasião, foi apresentado ao público o projeto do “AtlantikSolar”, um veículo aéreo não tripulado, movido a energia solar, desenvolvido por pesquisadores do Instituto Federal Suíço de Tecnologia (ETH Zürich). O drone, em formato de avião, fará um sobrevoo experimental no estado do Pará partindo de Barcarena até a Floresta Nacional de Caxiuanã. A vinda do Projeto para o estado veio em função de uma articulação entre a Sectet e a Swissnex Brasil. 

“Um dos objetivos de trazermos o projeto do AtlantikSolar para cá é estreitar laços entre a Suíça e o Brasil, especialmente com a Amazônia, e, assim, retomarmos nossas relações em projetos científico-tecnológicos. Esperamos compartilhar a tecnologia com grupos brasileiros e trocarmos experiências para que possamos estabelecer cooperação mútua nessa e em outras áreas”, destacou o embaixador da Suíça, André Régli.

O titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello, saudou o interesse do governo suíço em investir em cooperações bilaterais que possam se desdobrar em benefícios para a região amazônica e para os que aqui vivem. “A Amazônia demanda parcerias que possam contribuir para que suas potencialidades naturais sejam transformadas produtos sustentáveis, que se revertam em maior qualidade de vida para as 25 milhões de pessoas que aqui residem. Saudamos qualquer tipo de cooperação que pense em um conhecimento não somente sobre a Amazônia, mas um conhecimento que seja na e para a Amazônia”.  

O pesquisador do ETH Zurich, Philipp Oettershagen, responsável pelo desenvolvimento do drone solar, explicou que diversos tipos de sensores de mapeamento e sensoriamento poderão ser acoplados ao veículo, dando a ele a possibilidade de exercer múltiplas funções. “Esperamos que o teste possa aprimorar a tecnologia desenvolvida pelo nosso grupo e que possamos compartilhar conhecimentos com os grupos de pesquisa locais”.

O diretor de Ciência e Tecnologia da Sectet, João Pinho, ressaltou que há grande potencial para aplicar a energia solar no estado do Pará. Para o enegenheiro, o governo já está avançando ao apoiar iniciativas como o projeto AtlantikSolar, mas é preciso, ainda, fortalecer a relação entre empresas, universidades e setores governamentais para tornar viável a produção, em escala, desse tipo de matriz energética. “ Hoje, no Brasil, somente 0,02% de toda a energia utilizada provém da energia fotovoltaica (solar). Temos o sol, capacidade científica para produzir, mas falta recursos. Por isso, a parceria com o governo suíço é tão importante”, enfatizou. 

Sobrevoos - Na próxima quarta-feira (21), às 13h, o AtlantikSolar fará um sobrevoo especial em Barcarena para avaliar os danos do desastre ambiental provocado pelo navio Haidar, que naufragou no porto de Vila do Conde com 5 mil bois e 740 toneladas de óleo, no último dia 6. A expectativa é que as câmeras e equipamentos acoplados ao drone possam avaliar a atual situação nas águas atingidas pelo acidente. 

Já no dia 22, o veículo aéreo fará, em território amazônico, seu voo de mais longa distância desde que foi criado, e a expectativa é de que ele possa comprovar sua autonomia e resistência nas condições climáticas da nossa região. A iniciativa reflete os interesses da SECTET de contribuir para a difusão e replicação de experiências bem sucedidas no que diz respeito ao desenvolvimento e uso de energias renováveis, como meio de promover o desenvolvimento econômico e social do Estado.

Exposição – Até o dia 24 de outubro, haverá, também, a exposição “AtlantikSolar – uma aventura histórica na Amazônia Brasileira”. No primeiro dia, o público poderá conhecer o equipamento de perto. Nos dias seguintes, a exposição continua com os painéis contando a aventura do veículo aéreo não tripulado e também um pouco sobre a colaboração entre Brasil e Suíça. A visitação é das 10 h às 22 h, na Estação das Docas, com entrada franca.

Texto: Ana Carolina Pimenta - Ascom Sectet