Busca

Clipping

Início » Central de Conteudo » Clipping » Centro de Piscicultura incrementará economia regional em R$ 4 milhões ao ano
conteúdo principal

Centro de Piscicultura incrementará economia regional em R$ 4 milhões ao ano

Assunto Data Veículo Tipo
Sectet na Feira do Livro segunda-feira, Maio 25, 2015 Agência Pará Online
Energia Solar quarta-feira, Outubro 14, 2015 ORMNews Online
Fórum de Tecnologias Sociais terça-feira, Outubro 27, 2015 ORM News OnLine
Cursos Profissionalizantes terça-feira, Outubro 4, 2016 G1 Pará Online
Cursos Profissionalizantes quinta-feira, Outubro 13, 2016 Diário OnLine Web
Assinatura de Convênio com IFPA quarta-feira, Fevereiro 22, 2017 Correio Bragantino On Line
Cadeia Produtiva do Cacau sexta-feira, Março 24, 2017 O Xingu On Line
Entrega de certificados do Pará Profissional segunda-feira, Março 27, 2017 Blog Tribuna Tapajônica On Line
Informações: 

Um grande passo foi dado nesta segunda-feira (20), em Bragança, no nordeste do Estado, para que a região possa em breve deter e disseminar tecnologia que poderá representar a criação de 510 mil novos alevinos (filhotes) de surubim e piaus geneticamente melhorados com a ajuda de laboratórios, ao ano.

O impacto imediato disso será um acréscimo de 150 toneladas na produção anual de surubins, além de outras 300 toneladas a mais na produção de piaus, em toda a região bragantina – o que significa uma previsão de R$ 4 milhões a mais injetados na economia da piscicultura e aquicultura da região a cada vez que esse ciclo produtivo possa ser repetido.

Esse é o resultado inicial estimado pela assinatura do convênio 3/2017, celebrado na manhã desta segunda entre o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), a Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará (Fapespa) e a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica do Pará (Sectet).

O convênio, assinado no campus de Bragança do IFPA, garantirá apoio do Governo do Estado às atividades do Centro de Piscicultura do IFPA (Cepis), que fortalece o Polo Científico e Tecnológico de Bragança. O acordo é parte integrante do Protocolo de Intenções do Polo de Pesca e Aquicultura do Pará.

Os investimentos somam R$ 1,8 milhão para a implantação do Centro de Piscicultura do IFPA (Cepis) em Bragança. O centro favorecerá a geração de conhecimento e a transferência de tecnologia relacionados à aquicultura na região e também promoverá formação de profissionais na área.

Desse total, R$ 900 mil é a contrapartida do IFPA no convênio, que inclui na sua agenda a construção do Laboratório de Biologia Molecular da instituição, além da instalação de 12 mil metros cúbicos de lâmina d’água em viveiros para alevinos. As etapas da implantação do Cepis também incluem a aquisição de um aparelho sequenciador genético. Além disso, o acordo firmado resultará em mais R$ 1,5 milhão destinado pela Fapespa em novos editais ao fomento à pesquisa dirigidos especificamente ao Polo Científico e Tecnológico de Bragança.

Quando essa estrutura estiver instalada, serão produzidos 400 mil alevinos de piau ao ano, além de outros 110 mil alevinos de surubim, com garantia de melhoria da qualidade genética do pescado produzido na região. Estima-se ainda que, após a assinatura desse convênio entre IFPA, Fapespa e Sectet, até R$ 1,4 milhão poderá ser movimentado na economia local bragantina nos próximos quatro anos.

Caminho

O convênio assinado esta segunda pela Fapespa e Sectec com o IFPA complementa outro, já assinado em janeiro passado, com a Universidade Federal do Pará (UFPA), pelo programa Inova Pará. Nele, R$ 3,4 milhões foram destinados à implantação do Centro de Pesquisas em Aquicultura (Ceanpa) de Bragança, beneficiando também a formação de profissionais pelos cursos de Engenharia da Pesca e as pós-graduações em Biologia Ambiental e em Aquicultura e Pesca.

A aquicultura e a pesca estão entre as 12 cadeias produtivas consideradas estratégicas para o programa Pará 2030, que fomenta a verticalização da produção e a geração de renda no Estado. Em Bragança, são 17 os piscicultores e aquicultores cadastrados pelo município, além de outros 50 mapeados na região. “Serão quase R$ 7 milhões investidos na região do Caeté. Isso mudará a feição da pesquisa e inovação na região”, avaliou, durante a assinatura do convênio em Bragança, Eduardo Costa, presidente da Fapespa.

A apresentação do convênio no IFPA contou ainda com a participação do prefeito em exercício de Bragança, Mário Ribeiro; de Maria Amélia Rodrigues da Silva Enriquez, secretária adjunta da Sectec; do reitor do IFPA, professor doutor Cláudio Alex Rocha; e do professor e mestre Danilo Cunha, diretor geral do Campus do IFPA em Bragança; além do professor doutor Mauro Damasceno de Melo, coordenador de pesquisa e pós-graduação do IFPA; e do professor e mestre Cassio Eduardo Flexa, coordenador do convênio firmado.

“Este é um projeto que impactará não apenas a região de Bragança, mas todo o Pará. Nosso desafio é vencer o paradoxo de nossa economia: bons indicadores, mas ainda com grande parte da população em vulnerabilidade social. Esse é o objetivo do Pará 2030. Verticalizar a economia e investir em ciência e tecnologia é crucial”, ressaltou Eduardo Costa, citando ainda a descentralização dos investimentos rumo ao interior priorizada nos últimos anos pela Fapespa - com aplicação de editais regionalizados e incentivos ao fortalecimento das redes de pesquisa nas regiões de integração. “Hoje é essa pesquisa que apoiamos: a que debate o desenvolvimento social de nossa população”.

O volume de recursos aplicados também dobrou. Em 2015, foram R$ 10 milhões investidos pela Fapespa em editais de fomento à pesquisa. Em 2016, foram R$ 18 milhões, com 1.300 bolsas de doutorado e mestrado beneficiadas. Em 2017, mais de R$ 20 milhões estão previstos em novos editais de fomento.

Polo piscicultor

“Esse convênio beneficiará na verdade todos os cursos ligados à cadeia produtiva em todo o Pará. Resultará em capacitação para alunos e produtores, tendo o Governo do Pará como grande parceiro”, afirmou Cassio Eduardo Flexa, coordenador do convênio, citando pesquisas em melhorias genéticas e a inclusão de novas espécies para o mercado regional como alguns dos desdobramentos.

Já Mauro André Damasceno de Melo, coordenador de pesquisa e pós-graduação do IFPA, explica o impacto dessa produção com material genético melhorado: “O uso de sequenciador para melhoria genética de espécies no Laboratório de Biologia Molecular é a atual fronteira tecnológica. Até sequenciamento de genomas será possível”, comemora. Com isso, identificação de genes de interesse permitirão que espécies sejam produzidas com maior controle de características, como o peso. “São trabalhos e mais trabalhos de dissertação possíveis. Isso tudo vai muito além do que se possa imaginar”, garante Melo.

“Isso será uma contribuição significativa para a economia da região e do Estado. Esse projeto é um pulso à nossa cadeia de produtores, enxertando espécimes de peixes de qualidade e fortalecendo a cadeia da piscicultura na região”, ressaltou Danilo Silveira da Cunha, diretor-geral do campus do IFPA em Bragança.

Piscicultores começarão a produção com um milhão de alevinos em fazenda

“Estamos prontos para finalmente começar”, suspiram, em tom pragmático, o casal formado pelo produtor Yuri Morais, 44, e pela doutora em veterinária Rita Sampaio, 46. Há 30 anos a família dos piscicultores mantém a fazenda Tataueira, em Igarapé-Açu, acessada pelo ramal do igarapé Urubuquara.

Yuri e Rita estão instalados a 75 quilômetros da sede do campus, onde foi assinado o novo convênio entre IFPA, Fapespa e Sectet, em Bragança. Há quatro anos eles decidiram apostar na piscicultura, completando um ciclo de 10 anos de preparo próprio e interação com outros produtores da região e com pesquisadores.

Dois anos foram necessários só para ajustes de manejo de tanques e peixes, para aplicarem a tecnologia de reprodução do tambaqui. Outros passos ainda serão necessários para o manejo do pirarucu. Em uma área equivalente a sete campos de futebol apenas para as lâminas d’água formadas por uma nascente, além dos tanques construídos para manejo e reprodução, eles já lidam com um potencial de produção inicial de um milhão de alevinos comercializados por ano. Imaginam que podem chegar ao dobro disso em alguns anos. 

É o resumo da história de um caminho longo, vivido por muitos outros produtores, mas que pode ser encurtado ainda mais com o esforço iniciado agora pelo Pará, após a assinatura do convênio entre Fapespa, IFPA e Sectet, em Bragança. “Não há como o produtor viver sem pesquisa, assim como não há como o pesquisador fazer algo que não esteja ligado ao que precisa o produtor”, assevera a veterinária Rita Sampaio.

“Pesquisa é fundamental para alavancar o Pará na economia da piscicultura. O Estado hoje não entra nem no ranking da produção nacional, embora tenha maior número de produtores. Ainda é um panorama de baixa produção e atividade predominantemente amadora”, diz Yuri Morais.

“Com esse convênio assinado, damos um passo gigantesco, embora muitos passos importantes já tenham sido dados lá atrás para isso. Sem tecnologia não vamos a lugar algum. Precisamos aproximar cada vez mais pesquisadores e produtores. Isso é fundamental”, pondera o piscicultor.

Mudanças

“É muito importante essa união de esforços institucionais em tempos difíceis. Isso é hoje fundamental para o desenvolvimento do nosso polo tecnológico, da pesquisa e da produção da região”, avaliou o reitor do IFPA, Cláudio Alex Rocha, durante a assinatura do convênio desta segunda-feira.

“Apesar dos caminhos desses estudos serem complexos, a finalidade desses avanços é muito simples: melhorar as condições de vida da população de Bragança e da região. Além disso, esses estudos beneficiarão também cursos em nossos 18 campi, com know how que pode espalhar benefícios por todo o Estado”, resumiu o reitor do IFPA.

Para Maria Amélia Rodrigues, secretária-adjunta da Sectet, Bragança é um terreno muito fértil para políticas públicas voltadas para a região. “É um resgate histórico para com essa região que contribuiu tanto para o crescimento do Pará no passado. A inovação é um elemento estruturante do desenvolvimento e isso não se faz sem investimento em educação e geração de conhecimento”.

Por Lázaro Magalhães - Agência Pará